11.4.09

O coração II

O coração, espirito guardado,
Grande demais para ser seduzido,
Forte demais para ser desencorajado,
Extremamente audacioso para ser seguido,
Irriquieto demais para ser filmado,
Sagaz demais para ser distraido,
Extremamente incomum para ser fotografado,
Extremamente incomum pra ser servido,
Inédito, ágil, unico, escancarado,
Benéfico, espalhado, bem instruido,
Às vezes como um objeto não identificado,
Às vezes como um lugar não permitido,
O coração, cancela sem cadeado,
Tentar cercea-lo é causa sem sentido,
É livre o coração, mesmo trancado,
É fluido universal, mesmo contido,
Às vezes como um trem descarrilhado,
Às vezes suave, como um gemido,
Às vezes ruidoso como um brado,
Às vezes não como a flecha de um cupido,
O coração, cantado e decantado,
O coração, a quem tudo é permitido...

6 comentários:

Vovó Albertina disse...

Ufff! E haja co ra ção!

Vovó Albertina disse...

Sim, coração alado.
Não, coração banido...

Judô e Poesia disse...

Belo poema. Abraços, Domingos.

Vovó Albertina disse...

Posso colocar esse poema debaixo do coração ali na página do "chá com a vovó"?

Débora da Palmeiras de Jesus disse...

Não é mais chá com vovó... rsrsrsrsrs

Ana Camilo disse...

Luis bom dia

Fizeram-me um desafio aí no Brasil, de, a partir deste poema pintar uma tela.

Missão cumprida!

A tela já está exposta aí no Grasil

Um abraço