17.11.18

A comunicação contingente

Você me posiciona confortavelmente
E eu melhoro consideravelmente a minha saturação,
Você percebe que eu estou impaciente,
Reduz a luz ambiente e me dá contenção,

Eu regurgito, regurgito novamente,
E então você pede silêncio no salão,
Você me pega no colo, eu fico contente,
E pego no sono nessa posição.

A gente dialoga diariamente,
E apesar de falarmos em línguas diferentes
Você me entende com perfeição,

Porque cada pedido meu você atende,
E se eu agradeço a você, você me entende,
Não precisamos de tradução...

O toque

Quando você tocar a minha pele
Você também vai estar tocando meu coração,
Você me assusta ou você me acolhe
Quando você me toca, você escolhe
O que vai me causar com a sua mão.

Então, quando você toca a minha pele
Suavemente, como quem tenta me acalmar,
Percebe só: meu choro vai passando,
Você consegue, apenas me tocando,
Fazer meu coração desacelerar...

Mas quando você toca a minha pele,
E faz isso sem me dar a mínima atenção,
Eu estranho você, e sinto medo,
O toque é meu idioma desde cedo,
E eu conheço, através dele, a sua intenção...

Por isso quando você tocar a minha pele,
Nessa hora nós dois vamos estar dialogando,
Pense nisso quando você for colocar as mãos em mim,
Porque eu posso responder ou não ou sim,
E desse jeito a gente vai se comunicando.

15.11.18

Manhã republicana

Manhã republicana, cidade vazia,
Parece que sou o único, voltando do plantão,
Que para, avança, acelera, freia, espia,
E para na padaria e compra pão...

Escuto Chico: "E a cidade em romaria
Vem beijar a sua mão"...
Chico merece. É pura poesia.
Tua cantiga, Chico, minha canção...

Manhã republicana silenciosa,
A República que era pra ser poderosa
Virou um álbum de patifaria...

Manhã republicana e anestesiada,
Parece que a cidade "se quedou paralisada"
Esperando pela chegada do Messias*...

8.11.18

As escolhas sagradas

Cada um de nós tem escolhas sagradas
Guardadas dentro do nosso coração,
Permanecem, essas escolhas, intocadas,
Até o momento da grande decisão:

Escolhas que não podem ser trocadas,
Não são passiveis de negociação,
Tem uma hora em que não são mais adiadas
Porque se tornam nossa unica proteção...

Escolhas que nos cobrem como mantos,
Suavizando a dor com seus encantos,
Transformando turbilhão em calmaria,

Escolhas sagradas, definitivas,
Bem aventuradas, compassivas,
Antídotos para as horas de agonia...

7.11.18

Eu acredito em segundas chances

Para Gisele Gomes

Eu acredito em segundas chances,
Eu creio em novas possibilidades,
Em nomes novos, em novas cores,
Em novos cheiros, novos sabores,
Eu acredito em novas verdades,

Eu acredito em novos futuros,
Em novos dias, novas descobertas,
Eu acredito em novas etapas,
Em novas caminhadas, novos mapas,
Novos alentos, novos alertas,

Eu acredito em segundos dias,
Segundas opções, segundas formas,
Eu acredito em segundas tentativas,
Em possibilidades paliativas,
Eu acredito em desconstruir as normas,

Eu acredito num jardim de flores,
Eu acredito num céu de brigadeiro,
Eu acredito em botes salva vidas,
Eu acredito em preces atendidas,
Eu acredito no amor verdadeiro,

Por isso mesmo quando tempestade,
Frio, abandono, desolação,
Saudade, desconcerto, dissonância,
Desesperança, dissabor, distância,
Dúvida, desamparo, danação,

Ainda assim eu sigo acreditando,
Mesmo nos dias feitos de não,
Porque eu acredito em segundas vias,
E em segundas vozes trazendo alegrias
E mudando quase tudo na canção...

3.11.18

Os pezinhos

Um pezinho,
Dois pezinhos,
Três pezinhos,
Quantos são?
São quinze milhões de pezinhos,
Uma grande multidão...
Sobram nas meias,
E os sapatinhos
Dificilmente tem a sua numeração,
Nascem diariamente
Pelo mundo inteiro,
São do tamanho de uma nação...
Um pezinho,
Dois pezinhos,
Três pezinhos,
Quinze milhões de pezinhos:
Pra onde vão?
Quem cuida deles?
Com que carinho?
Com que dose desdobrada de atenção?
Até onde alcançarão nesse caminho
Que é de incertezas
E superação?
Um pezinho,
Dois pezinhos,
Três pezinhos,
Quinze milhões de pezinhos
E um só coração:
A mãe que espera
Com seu colo pronto
A hora de toma-los pela mão,
A hora de envolve-los com a alma,
A hora de trazê-los
Livres de tanto não...
Um pezinho,
Dois pezinhos,
Três pezinhos,
Quinze milhões de pezinhos...
E, quase como disse o astronauta,
Uma verdade:
Um pequeno pezinho para o homem, Mas um grande salto para a humanidade...

31.10.18

O que tinha de ser

Aconteceu aquilo que era pra ser,
O que tinha permissão pra ter acontecido,
Somente o que era pra acontecer,
Somente aquilo que estava permitido,

As vezes, como quem não sabe ler,
A gente pensa ter sido um mal entendido,
E nessa hora tenta interceder,
Tentando que fosse o que não era pra ter sido,

Até que o tempo, que esclarece tudo,
Coloca legendas no que foi dito absurdo
E faz a gente entender

Que nada acontece sem antes ter sido
Considerado fazer todo sentido
Que um dia a gente vai acabar por conhecer.

29.10.18

O coração

Eu trago dentro do meu peito, aprisionado,
Um coração que nunca se compreendeu,
As vezes que tem tentado, tem errado,
Quase nunca acerta o lado que escolheu,

Aqui dentro do meu peito, escravizado,
Um coração que nunca se convenceu,
Nasceu com o tempo de validade carimbado
Numa nota fiscal do céu que se perdeu...

Depois de dois bilhões de sistoles, cansado
De interpretar mal e de ser mal interpretado,
Já não pretende convencer ninguém,

Segue sozinho, não busca companhia,
Passageiro lunático de um trem da alegria
Desvendando o significado desse trem.