4.11.09

Cantoria II

Escrevo por um instante... Quase um cantico...
E a minha vida, nesse cantico, se completa...
Nem bem alegre nem triste nem romantico...
Quase uma senha secreta...

As vezes como um arqueólogo semantico,
As vezes igual, como uma linha reta...
As vezes básico demais, as vezes tantrico,
As vezes prosador, as vezes poeta...

E no instante em que escrevo, silencioso,
Esse silencio se assume poderoso
E desarruma meu coração.

E desse coração desarrumado
Vejo nascer o poema alinhavado
E não consigo encontrar explicação...

3 comentários:

Rosângela disse...

Meu Deus... com certeza você estava sentado naquele banquinho a beira da praia ali...

vejamos:
E desse coração desarrumado
vejo nascer o poema alinhavado
E não consigo encontrar explicação...

Lindoooooooooo

Poetinha cheio de interrogação... rsrs Lindo, poetinha...

Rosângela disse...

Vtei no quarto, poetinha!

Rosângela disse...

Votei.
No do coração. Amo essa coisa de coração, poetinha...