5.8.12

A minha mãe aos oitenta

Quando todo mundo se cansa, ela é quem segue,
E cresce a cada desafio que ela enfrenta,
Quando todo mundo desiste, ela consegue,
Quando todo mundo desaba, ela sustenta,
 
E quando todo mundo exige que ela negue,
Ela, ao contrario de toda gente, aguenta,
A sua fé faz com que ela não se entregue,
E minha mãe é assim, linda, aos oitenta:

Menina que sonha, que vive o que prega,
Menina que não se cansa e não sossega,
Que sabe como recarregar seu coração,

Menina aos oitenta, e cada vez mais menina,
Que aos oitenta auxilia, orienta, exemplifica e ensina,
Que aos oitenta faz da vida uma lição...
 

4 comentários:

Celso Vicente disse...

Um das mais belas poesias que você já escreveu!!! Parabéns,sempre!

Palavras minhas disse...

Dá para entender tanta inspiração quando se conhece essa a musa menina que o inspira. Linda!

Juliana Tavares disse...

Lindo, tio!! E muito verdadeiro... Vovó merece!!

Splanchnizomai abraçando o amanhã. disse...

Gente!!! Como perdi essa??? Por que não vim aqui a mais tempo? "Que coisa mais linda de mãe bela e filho tão cheio de tudo o mais bonito". Parabéns para a mamãe!