1.1.10


O bebe canguru

Quem ousaria incomodá-lo, assim?
Que dor? Que movimento descuidado?
Que som abusivo? Que toque frio e ruim?
Que exagero de luz mal calculado?

Quem ousaria provocar o fim
Desse sono reparador tão delicado?
Suave como um piano de Jobim...
Discreto como um Quintana declamado...

Quem ousaria tamanha iniqüidade?
Separar mãe e filho: insanidade...
Atrapalhar esse vínculo sagrado...

Bem aventurado o colo que se entrega
Ao filho, bem aventurado, que se apega
A esse encontro bem aventurado.

3 comentários:

Rosângela disse...

Lindo, poetinha...

UM 2010 cheio de Vida para você e todos os seus.

Com ternura de Jesus Lindo
Rosângela

Rosângela disse...

Batei palmas, todos os povos; aclamai a Deus com voz de triunfo.
Porque o SENHOR Altíssimo é tremendo, e Rei grande sobre toda a terra.
Ele nos subjugará os povos e as nações debaixo dos nossos pés.
Escolherá para nós a nossa herança, a glória de Jacó, a quem amou. (Selá.)

Deus subiu com júbilo, o SENHOR subiu ao som de trombeta.
Cantai louvores a Deus, cantai louvores; cantai louvores ao nosso Rei, cantai louvores.
Pois Deus é o Rei de toda a terra, cantai louvores com inteligência.
Deus reina sobre os gentios; Deus se assenta sobre o trono da sua santidade.
Os príncipes do povo se ajuntam, o povo do Deus de Abraão; porque os escudos da terra são de Deus. Ele está muito elevado!

Salmo 47

Márcia disse...

meigo!como a foto.