5.2.02

O Amor nos tempos de Osama

Ninguem me ama. Se ama não diz.
Se diz que ama, não me convence.
Mas nem por isso eu sou um infeliz
Porque eu sou torcedor do Fluminense...

Ninguem me ama. Ninguem me chama
De Baudelaire, como diz Millor...
Eu? Triste? Porque ninguem me ama?
Mas isso nem me torna um pecador...

Ninguem me ama. Eu amo. Um bom começo.
Às vezes fico triste. Reconheço.
Mas nada que um poema não apague...

Ninguem me ama. Eu sigo meu caminho
Feliz, porque pior que estar sozinho
É esperar em vão por um milagre...

5 comentários:

Anônimo disse...

Não me lembro o nome do livro que contém esse poema,nem o nome do autor do livro(infelizmente).Poderia me dizer?

Quasepoesia disse...

O nome do livro:
A PALAVRA DADA
Eu mesmo sou o autor:
Luis Alberto Mussa Tavares

Sergio da Gloria disse...

Muito obrigado!Minha Mãe me deu esse livro tempos atrás,mas meu irmão pegou e eu nunca mais o vi.Hoje mesmo vou a uma livraria pra comprar outro,pois gostei muito desse livro.Também tenho uma amiga que com certeza iria amar.
Mais uma vez obrigado!

Quasepoesia disse...

Sergio. Não sei se vc vai encontrar este ( e os outros) em livrarias.
Me manda seu endereço pro mail lamtavares@uol.com.br e te envio...

Sergio da Gloria disse...

Sim,mandarei.
Muito obrigado!