17.4.08

Capitulada

A minha cidade resiste à solidão,

Ao abandono, ao desespero, à mágoa,

Ao desencantamento, à ingratidão...

A minha cidade só não resiste à água...


 

Resiste à miséria, resiste à corrupção,

Ao poder publico submerso no atoleiro,

Ao grampo no telefone do ladrão...

A minha cidade só não resiste a um aguaceiro...


 

Resiste aos homens da Policia Federal,

Resiste ao camarote e ao carnaval

E ao rio das enchentes de águas turvas...


 

Resiste às pontes e aos golpes dos corruptos

E aos podres poderes dos homens estúpidos...

A minha cidade só não resiste às chuvas...


 

Um comentário:

Simone Guimarães disse...

Muito boaaaaaaaa!!!!!!!!!